SC tem oito casos suspeitos de coronavírus, diz Ministério da Saúde

O número de casos suspeitos de coronavírus em Santa Catarina subiu de dois para oito, segundo atualização divulgada na tarde de quinta-feira (27) pelo Ministério da Saúde. A confirmação da doença, também chamada de Covid-19, ainda depende de exames. A Secretaria de Estado da Saúde (SES) não deu mais informações sobre os pacientes e nem sobre os municípios em que eles estão. Outros quatro casos no estado já foram descartados.

Casos só são oficialmente reconhecidos como suspeitos após confirmação do Ministério da Saúde, o que ainda não ocorreu. O Brasil tem um paciente com a doença, um homem de 61 anos que mora em São Paulo e fez viagem para a Itália entre 9 e 21 de fevereiro.

Apesar do aumento no número de suspeitos, a SES afirma que não há motivo para pânico e que desde o final de janeiro as equipes técnicas da secretaria trabalham para orientar os profissionais de saúde para lidar com os casos suspeitos. Informou também que um Plano de Contingência foi elaborado seguindo determinações do Ministério de Saúde.

A pasta disse que todas as pessoas que mantiveram contato ou estavam no mesmo voo do paciente que teve a doença confirmada estão sendo avaliadas, e que isso faz parte da rotina da Vigilância em Saúde.

Casos suspeitos no Brasil e no mundo

O Brasil tem, no total, 132 casos suspeitos de coronavírus, sendo a maior parte em São Paulo (55), Rio Grande do Sul (24) e Rio de Janeiro (9). Por causa da doença, a vacinação contra a gripe foi antecipada e vai começar no dia 23 de março.

Até quarta (26) de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 44 países haviam registrado infecções pelo novo coronavírus ao redor do mundo. Ainda não entraram na contagem da organização a Dinamarca e a Estônia, que anunciaram os primeiros casos nesta quinta.

Suspeitas em SC

A SES diz que pessoas vindas da China, cuja cidade de Wuhan é considerada o epicentro da doença, nos últimos 14 dias e que tenham febre e sintomas respiratórios podem ser considerados suspeitos, e devem ser mantidos em isolamento enquanto houver sinais e sintomas clínicos. Os casos descartados por laboratório, independentemente dos sintomas, podem ser retirados do isolamento.

Direito do consumidor

O Procon catarinense orienta os consumidores que estão com viagem marcada para os países onde já foram confirmados casos de infecção pelo vírus, como a Itália, que procurem o órgão caso optem por cancelar ou adiar a ida.

Conforme o órgão de defesa do consumidor, neste caso a empresa não pode se recusar a oferecer alternativas porque não há um prazo para que o problema causado pelo contágio da doença seja resolvido. Ainda que as companhias não tenham culpa pelos transtornos provocados pela enfermidade, a prioridade é garantir a segurança e os interesses do consumidor, diz o Procon.

Fonte: G1 SC

Este artigo está em

Join the Conversation