Mineiros de Criciúma e região no aguardo de proposta para evitar greve

Os trabalhadores das minas de carvão de Criciúma e região estão anunciando greve em pelo menos seis empresas a partir da próxima segunda-feira. “Tivemos uma assembleia no dia 6, os trabalhadores da Rio Deserto, Metropolitana, Belluno, Catarinense, Gabriella e Siderópolis rejeitaram a proposta inicial”, explica o presidente da Federação dos Mineiros, Genuir dos Santos.

A proposta inicial, de 11,28%, que cobre apenas o INPC, não foi aceita pelos mineiros. “A greve está deflagrada, isso se não houver proposta ao longo dessa semana”, pontua Genuir.

“Nós temos vontade de negociar, para evitar a greve, mas isso não depende só de nós. É importante que as empresas se sensibilizem”, detalha. A categoria quer o INPC mais 50% do índice para ganho real, ou seja, algo superior a 16%.

O dirigente frisa que a situação das carboníferas, atualmente, contempla a condição de um reajuste maior para os mineiros. “Nós temos que avaliar é que tínhamos dez empresas de mineração para entregar carvão para a Tractebel. Hoje são seis, e elas estão entregando carvão em situação melhor que em outros anos, quando dividiam por dez. As seis que estão aí, estão muito bem”, afirma.

Em paralelo à negociação salarial com outras seis mineradoras, a Federação está acompanhando a montagem de uma associação de trabalhadores da Carbonífera Criciúma. “Mas essa situação não tem a nossa participação, é uma discussão iniciada por um grupo de trabalhadores, com discussão isolada”, explica.

Fonte: Sul In Foco

Este artigo está em