Artigo do senador Luiz Henrique: “Derrotado ou vencedor?”

A eleição para Presidente do Senado e do Congresso Nacional traçou um hiato claro entre o desejo do povo e o resultado da votação que elegeu Presidente o Senador Renan Calheiros.

Ao desenhar o prédio do Congresso Nacional, Oscar Niemayer configurou o plenário do Senado debaixo de uma concha invertida. Quis, com isso, configurar uma casa serena e reflexiva, capaz de rever, com equilíbrio e bom senso, as decisões explosivas da Câmara dos Deputados.

Mas, nesta eleição do último domingo, a cúpula do Senado revelou uma nova função, não prevista pelo mais importante arquiteto brasileiro: a da surdez. O resultado da votação demonstrou claramente uma rejeição aos clamores populares de mudanças.

O Senado revelou absoluta insensibilidade aos apelos veementes da população. Manteve-se fiel à política velha, que Ulysses Guimarães chamava de velhaca. Mais que o compromisso com a mudança, valeram os favores, as pressões, o toma-lá-dá-cá; tudo aquilo que foi condenado nas manifestações e que vem sendo repelido em massa por mensagens do povo nas redes sociais.

Fui lançado como candidato por um grupo expressivo de Partidos e Senadores que repudiam essas práticas do passado, deixando bem claro que o Presidente do Senado, que é, ao mesmo tempo Presidente do Congresso Nacional, não deve transformar-se em pedinte de cargos de Ministros e, menos ainda, de dirigentes de estatais, como Petrobrás, Banco do Brasil, Caixa Econômica.

Assim agindo, torna-se subserviente ao Governo; fica sem autoridade para uma relação de harmonia e independência, como estabelece a Constituição federal.

Sou do PMDB. O PMDB tem vários ministros e muitos diretores de estatais. Mas, nenhum desses indicados foi discutido comigo nem com os demais senadores e deputados. Sem entrar no mérito das pessoas indicadas, foi uma decisão isolada do Presidente do Senado e de um grupo fechado da cúpula partidária.

Quando fui Presidente do Partido, o PMDB decidiu apoiar o governo do Presidente Fernando Henrique. Coube-nos indicar três ministros. Como procedi? Convoquei os Senadores e Deputados, para, numa decisão coletiva, às claras, fazerem as indicações, que recaíram em Nelson Jobim, para a Justiça; Odacir Klein, para a Infraestrutura e Cícero Lucena, para a Integração Nacional.

Hoje, as indicações são feitas por quem não deve indicar: o Presidente do Congresso Nacional.

Fui candidato a Presidente para combater essas práticas, para democratizar as decisões do Senado e para fazê-lo protagonista das reformas política, fiscal e tributária, que estão engavetadas há umas duas décadas.

Obtive 32 votos (anularam 1) sem negociar nada; sem oferecer nada; sem trocar nada. Por isso me considero vencedor. Vencedor porque as milhares de manifestações na internet apoiaram o meu discurso, a minha proposta, e vem condenando a decisão do Senado.

Isso me dá alento para continuar lutando, resistindo. Goethe nos ensinou que “é fácil matar o monstro; difícil é remover-lhe as entranhas.”

Pois, as entranhas do autoritarismo, do fisiologismo, da barganha continuam sendo mantidas por uns poucos, nos corredores do Senado Federal.

Fui derrotado? Não, fui vencedor, porque combati o bom combate. Como dizia Sepé Tiaraju: “a vida é combate, que aos fracos abate; aos bravos, aos fortes só pode exaltar!”.

Este artigo está em