Aumento da concorrência beneficiará consumidor, diz presidente da SCGÁS

Pelo sexto ano consecutivo Santa Catarina possuirá a menor tarifa de gás natural do país. Apesar da negociação do novo contrato de suprimento que eleva o custo de aquisição da molécula, a expectativa da SCGÁS é que abertura comercial proposta pelo Governo Federal ajude a reduzir o preço do insumo em um futuro próximo.

“Ao atrair novos agentes para operação do transporte e fornecimento da molécula, gera-se concorrência e ambiente favorável para negociações. Com um mercado aberto e a desconstrução do monopólio, o consumidor final será o maior beneficiado”, afirma o presidente da Companhia de Gás de Santa Catarina (SCGÁS), Willian Anderson Lehmkuhl.

Na última semana, Governo do Estado determinou a criação de um grupo de trabalho para estudar formas de reduzir o preço do gás natural catarinense. O insumo e o seu transporte em Santa Catarina correspondem a cerca de 85% da tarifa praticada aos consumidores, parcela que é afetada pelo ciclos econômicos e pelo comportamento do cenário energético mundial.

A abertura comercial poderá baratear os custos de aquisição do gás e terá um reflexo maior no preço pago pelos consumidores finais nesses 85% que correspondem ao valor da tarifa. Atualmente, o Brasil tem uma das maiores tarifas do mundo, três vezes maior do que a dos Estados Unidos e duas vezes maior do que a da Argentina.

Os 15% restantes correspondem ao custo de operação da SCGÁS. A manutenção da parcela restante da tarifa viabiliza os projetos de interiorização da oferta do gás natural para atender novas regiões. A Companhia espera que até o fim do contrato de concessão em 2044, a rede atenda a praticamente todo o Estado.

Fonte: Rede Catarinense de Notícias

Este artigo está em

Join the Conversation