Micale não garante Neymar, confia em plena recuperação e esconde plano B

Técnico sugere que vai poupar camisa 10 do treino e e vai se reunir com médicos para avaliar situação do jogador: "Queremos que esteja pronto, sem dor para jogar"

Na quarta entrevista coletiva do técnico Rogério Micale num espaço de seis dias, o treinador da seleção olímpica disse que está confiante na plena recuperação de Neymar. O craque do Barcelona fez tratamento em tempo integral desde a entorse no tornozelo direito no fim da partida contra a Dinamarca. Mas o jogador pode até ser poupado do treino desta tarde, algo que a comissão técnica decidirá pouco antes da atividade, já no CT. Se não treinar, seguirá em tratamento. O Brasil enfrenta a Colômbia pelas quartas de final da olimpíada neste sábado à noite, às 22h, no estádio do Corinthians.

– Neymar está passando por tratamento intenso, sendo visto a cada momento o tornozelo. Hoje à tarde vamos ter mais uma reunião com departamento médico, mas acredito que vai estar apto a jogar – disse Micale, antes de responder sobre o aproveitamento de Neymar no treino.

– Olha só. Vamos nos reunir à tarde, no momento do treino, mas não vejo necessidade nenhuma da participação dele no treino. São três jogos seguidos e o objetivo maior neste momento é recuperar os jogadores. Se não puder treinar, não vai afetar nada em relação ao desempenho. Queremos que ele esteja pronto, sem dor para poder jogar – afirmou o treinador.

Neymar torceu o tornozelo no fim da goleada por 4 a 0 contra a Dinamarca. Ele fez exame em Salvador e foi diagnosticado torção de grau 1 no tornozelo direito. O jogador chegou a São Paulo mancando bastante no hotel onde a seleção está hospedada, em Guarulhos, na quinta-feira. Chamou a atenção o aparelho que ele carregava na perna direita. É um dispositivo portátil de choque, que tenta acelerar a recuperação da lesão.

O técnico disse que tem preparado um plano B para o caso de não contar com Neymar – embora não tenha realizado nenhum teste para uma possível ausência de seu capitão nos 12 dias de preparação para os Jogos. Ele não revelou quem seria o provável substituto e nem qual sistema adotaria. Mas deixou claro que confia nas boas chances do jogador ter condições de atuar neste sábado à noite na Arena Corinthians.

– Nós vamos ter plano B, mas por enquanto conto com o A. O B a gente deixa guardado – disse, aos risos, o treinador da seleção olímpica.

Foto: Reprodução/Snapchat
Foto: Reprodução/Snapchat

O treinador não confirmou o time e disse que ainda vai definir a escalação. Thiago Maia volta de suspensão e Walace, volante do Grêmio, iria naturalmente para a reserva. Mas a boa atuação deixou o treinador ainda tem dúvida sobre quem joga. Micale elogiou a equipe colombiana e disse que os episódios com Neymar e Zuñiga, protagonizados na Copa de 2014, que afastou o atacante do último mundial, ficou no passado.

Confira outros trechos da coletiva de Rogério Micale:

Estratégia contra a Colômbia

O que vou fazer não vou especificar tanto hoje, mas encaro a Colômbia como equipe forte coletivamente, uma equipe que variou inclusive os sistemas, mas no mesmo conceito: marca em linha média e baixa, tem bola longa muito forte, briga nessa primeira bola e pela segunda. São jogadores velozes, que apostam em jogadas rápidas. Exercem pressão muito grande no meio-campo. Vamos enfrentar uma equipe muito bem postada, que agride muito quando recupera a posse de bola, tenta chegar ao campo do adversário o mais rápido possível. Temos que nos manter muito concentrados no jogo para conseguir o nosso objetivo.

Thiago Maia ou Walace

Vou levar esse dilema (Thiago Maia ou Walace), estamos pensando. O Thiago fez ótimas partidas antes da suspensão, o Walace fez uma partida perfeita, praticamente, contra a Dinamarca. São dois jogadores que representam uma dificuldade boa, de ter que definir por um ou colocar os dois juntos. Estamos vendo o melhor encaixe possível.

Provocação

Não me preocupo em relação a 2014. É passado, já foi muito debatido, falado e as lições que Neymar, o Brasil, nós, tínhamos que tirar, tiramos. Agora é olimpíada. Ele é provocado em todo lugar que vá no mundo. Pela qualidade que tem, as pessoas sabem que de alguma forma tem que pará-lo. Algumas delas não condizem com o desporto. Está maduro, preparado, sabemos que dará resposta. É um jogo para entrar para a história, duas grandes seleções, nossa intenção é sair com a vitória e seguir adiante.

Mais conservador contra a Colômbia?

Não, vamos manter nossa forma de jogar, temos encaixe dentro das características de nossos jogadores. Mudar conceitos agora, sem tempo para trabalhar, é complicado. Nossa forma de atuar, nosso conceito de jogo, não muda.

Preparo para tantas entrevistas?

Não me preparo, meu assessor me dá umas dicas antes. Mas eu não preparo muita coisa porque não se pode prever as perguntas. Eu me preparo para temas polêmicos. Mas não estou gostando (risos) de falar tanto. Ganhei a última, fiquei mais animado, claro. Sou um cara muito reservado, gosto de conversar de uma forma mais reservada, particular, gosto de bater papo sobre futebol.

Por que não tirou Neymar na hora da torção?

Naquele momento em que o Neymar se machucou, aguardei e não houve nenhuma sinalização de que algo grave havia acontecido. Eu queria que o Neymar continuasse porque quanto mais ele joga, mais adquire ritmo de jogo e se aproxima do que faz. Além dele usufruir do momento do jogo, a equipe ganhando bem, e ele passou por muitas dificuldades nos jogos anteriores.. Eu quis proporcionar ao Neymar o sabor de continuar num jogo como aquele, participar de uma vitória como aquela. Eu não tive nenhum indicativo de que seria uma lesão e eu tivesse que substitui-lo

Fonte: G1 esporte

Este artigo está em

Join the Conversation