Zagueiro Vilson chora com tragédia na Chapecoense: “Eu poderia estar junto”

Jogador defendeu clube catarinense em 2015 e chegou a se apresentar no início de 2016. Ele pede corrente positiva pela recuperação dos sobreviventes.

A tragédia que matou 71 pessoas no voo que levava a Chapecoense a Medellín, na Colômbia, afetou diretamente o zagueiro Vilson, do Corinthians. Ele defendeu o clube catarinense até o fim de 2015 e chegou a se reapresentar à equipe no início deste ano, antes de ser contratado pelo Corinthians. Tinha muitos amigos entre as vítimas.

Visivelmente emocionado, Vilson concedeu entrevista coletiva no CT Joaquim Grava, na manhã desta quarta-feira, com uma camisa da Chape estendida sobre a bancada da sala de imprensa. Respirou fundo, chorou algumas vezes e mostrou seu sentimento com o desastre aéreo.

– Nessas horas a gente para pra repensar nossa vida. Primeira coisa que fiz quando soube foi dar um abraço no meu filho. No começo do ano me apresentei lá (na Chapecoense), eu poderia estar junto nessa tragédia. E depois que somos pais, pensamos muito nas coisas que vamos fazer. Primeira coisa que fiz foi abraçar meu filho, esposa, minha mãe. Dar mais valor às pessoas que estão próximas de nós – afirmou o zagueiro corintiano.

Corinthians faz homenagem à Chapecoense com um minuto de silêncio

Vilson deixou muitos amigos no clube. Ele falou sobre a relação próxima que ainda tinha com o elenco da Chapecoense, que estava radiante por disputar a final da Copa Sul-Americana. Também disse que vai jogar a última rodada do Campeonato Brasileiro pelos seus companheiros – o Corinthians enfrenta o Cruzeiro no dia 11 de dezembro.

Veja as declarações de Vilson:

 

Amizade com os jogadores da Chape

– É uma dor muito grande. Sonhos interrompidos. Um grupo muito alegre e feliz, via todos assim ano passado. A alegria e a vontade de vencer e alcançar algo mais continuou. Foram mostrando nos jogos, na Sul-Americana também. Não só ele, como todos nós estávamos muitos felizes também. Formamos amigos e irmãos, que lutavam pelos mesmos ideais.

Com informações do G1

.

Este artigo está em

Join the Conversation