STJD aceita recurso do Grêmio, e final da Copa do Brasil volta para a Arena

O segundo jogo da final da Copa do Brasil entre Grêmio e Atlético-MG será na Arena do Grêmio, no dia 30. Na tarde desta quinta-feira, menos de 24 horas após o julgamento que puniu o time gaúcho com a perda de mando de campo na decisão, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) acatou o recurso do Tricolor e concedeu efeito suspensivo. O julgamento do mérito no Pleno do STJD não tem data para ocorrer e pode ser realizado após a decisão.

A possibilidade de disputar a final contra o Galo longe da Arena se tornou realidade na tarde de quarta, quando a maioria dos auditores da Terceira Comissão Disciplinar do STJD concluiu que a presença da filha do técnico Renato Portaluppi dentro de campo na comemoração da classificação diante do Cruzeiro trouxe “elevada gravidade” ao evento. No julgamento no Rio, o clube foi punido com a pena de perda de um jogo de mando e multa de R$ 30 mil.

Pego de surpresa e indignado com a decisão, o departamento jurídico do Grêmio entrou com pedido de efeito suspensivo no final da manhã desta sexta-feira. O auditor Otávio Noronha foi sorteado para ser o relator do processo no Pleno do STJD e aceitou o pedido.

– Com a decisão, a pena aplicada pela Comissão Disciplinar fica suspensa até que o recurso seja julgado e concluído no Pleno, última instância nacional. Ainda não há dará prevista para o julgamento – diz nota publicada no site do STJD.

Relembre

Renato chamou a sua filha nos minutos finais da partida contra o Cruzeiro, na Arena, que marcou a classificação para a final contra o Atlético-MG. Carol aguardava no túnel da zona mista da Arena e foi conduzida ao campo por um segurança. Sentou no banco de reservas e, logo depois, o árbitro apitou o final da partida. A filha deu um abraço no pai à beira do campo e registrou a festa da torcida e dos jogadores dentro do gramado (veja acima).

Na súmula da partida, o árbitro Thiago Duarte Peixoto relatou o incidente. Informou que o quarto árbitro, Francisco Neto, e o delegado da partida, Nilson de Souza, o avisaram que Renato chamou a filha para entrar no gramado antes do apito final. Mas ela sentou no banco de reservas e foi impossível retirá-la a tempo, até porque logo depois ele assinalou o fim do jogo.

Na denúncia do caso, o Grêmio foi enquadrado pela Procuradoria do STJD no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) por “deixar de prevenir e reprimir invasão de campo ou local da disputa do evento”. Conforme a legislação, em caso de culpabilidade, a pena prevista é multa de R$ 100 a R$ 100 mil.

Com informações do G1 esporte
Este artigo está em

Join the Conversation