SC tem 5 municípios com apenas um candidato à prefeitura

Em cinco cidades de Santa Catarina, eleitores terão apenas uma opção de candidato à prefeitura no próximo domingo (2). De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em casos de candidatura única, basta um voto para eleger o candidato.

Sem a necessidade de disputar com mais ninguém, os gastos declarados com campanha também são menores. De acordo com dados fornecidos ao TRE, há casos em que a despesa contratada foi de pouco mais de R$ 157. Já o valor mais alto despedido em uma campanha de candidatura única é de cerca de R$ 8 mil.

Todas as cidades ficam no Oeste catarinense: Caibi, Cordilheira Alta, Planalto Alegre, Salto Veloso e Tigrinhos. Com exceção de Planalto Alegre, todos esses municípios já haviam tido pleitos de candidatura única.

MunicípioNº de eleitoresCandidato únicoGasto com campanhaQuando houve eleição com candidatura única
Caibi4.991Eloi Libano (PMDB)R$ 5.653,511996, 2008 e 2012
Cordilheira Alta3.970Carlo Alberto Tozzo (PMDB)R$ 6.426,161992
Planalto Alegre2.904Juares Bet (PSD)R$ 4.965,21
Salto Veloso3.692Rosana (PMDB)R$ 8.099,101992 e 2004
Tigrinhos2.033Dicão (PMDB)R$ 157,921996 e 2008

 

Em Caibi, onde votam em 2016 4.991 eleitores, concorre apenas Eloi Libano, pelo PMDB. Ele é o atual vice-prefeito do município. Conforme o TRE, em 2012, 2008 e 1996 a cidade teve também apenas um prefeito concorrendo. A despesa declarada com a campanha de 2016 foi de R$ 5.653,51.

Já em Cordilheira Alta, com 3.970 eleitores, o candidato é Carlo Alberto Tozzo (Picasso), do PMDB. Ele já foi vereador eleito em 2000, 2004, 2008, 2012. O pleito municipal de 1992, primeiro realizado na cidade, também foi de chapa única. A despesa declarada com campanha foi de R$ 6.426,16.

Com 2.904 eleitores, Planalto Alegre tem como único candidato Juares Bet, do PSD, que atuou como vice-prefeito eleito em 2012 e vereador em 1996. A despesa declarada com campanha foi de R$ 4.965,21.

Em Salto Veloso, que tem 3.692 eleitores, a candidatura única ocorreu em 2004 e em 1992. Neste ano, concorre à prefeitura Rosana, do PMDB, que já foi eleita vereadora em 2000 e 2004, além de ter sido eleita vice-prefeita em 2008. A despesa declarada com campanha foi deR$ 8.099,10.

Em Tigrinhos, são 2.033 eleitores. O candidato a prefeitura é Derli Antonio de Oliveira, o Dicão, do PMDB. Ele já foi prefeito da cidade por dois mandatos: 2000 e 2004. Tigrinhos também teve eleições municipais com candidatura única em 2008 e 1996. A despesa declarada com a campanha deste ano foi de R$ 157,92.

Eleitos, mas com alto nível de abstenção, nulos e brancos
Como a regra eleitoral possibilita que todos que concorrem em chapas únicas sejam eleitos com apenas um voto, em nem todos os pleitos os eleitores comparecem às urnas ou votam no único candidato disponível.

Em 2012, em Caibi, 2.903 votaram no único candidato. O restante optou por votar branco, nulo ou se abster.

Já em Salto Veloso, em 2004, foram 2.148 votos no único candidato, de um total de 3.087 votantes.

Cidades de pleito indefinido
No sistema de divulgações de candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), outras duas cidades catarinense constam com candidaturas únicas: Antônio Carlos, na Grande Florianópolis, e Massaranduba, no Norte catarinense.

Em Antônio Carlos, o candidato Geraldo Paulo, do PMDB, aguarda recurso da candidatura, para concorrer com Paulo Remos, do PP. Já em Massaranduba, Armindo Sesar Tassi, PMDB, aguarda a decisão para concorrer com Davio Leu, do PSD.

Nos dois casos, porém, conforme o Tribunal Regional Eleitoral, há candidatos com a candidatura indeferida, mas que aguardam recurso. Com isso, o eleitor verá nas urnas também o nome do candidato indeferido, mas o cálculo dos votos será diferente.

Segundo o TRE, serão feitas duas contagens de voto. Em uma delas, os votos dos dois candidatos são válidos. Na outra, é contado apenas o número de votos do candidato deferido.

 

Fonte: G1

Este artigo está em

Join the Conversation