Assista: Robson e Jerry apresentam suas propostas para São Martinho

No impresso: As entrevistas políticas publicadas nesta edição foram realizadas nas últimas semanas, na sede do Jornal em Armazém, respeitando os critérios de que todos os (as) candidatos (as) dos municípios foram convidados, sendo estes agendados (as) dentro da mesma semana e em datas diferentes, obedecendo primeiramente ao nome do município em ordem alfabética e nome de registro civil do (a) cabeça de chapa. Mais detalhes sobre as entrevistas.


PREFEITO

Robson Jean Back (38 anos)
Casado com Angela Sehnem Back, pai de uma filha, Thanili, filho de Rodolfo Back e Jusely Doerner Back. Formado em Ciência da Computação, administrador de empresas, consultor em Tecnologia da informação. Foi vereador, presidente da Câmara de Vereadores, presidente do Grupo de Jovens do município e voluntário em festas da Paróquia Cristo Rei. Atualmente é vice-prefeito e candidato a reeleição como prefeito.

VICE-PREFEITO

Jerry Steiner (48 anos)
Casado com Silvana da Cunha Cardoso Steiner, pai de dois filhos, Gabriel e Maria Luisa, filho de Bruno Steiner e Lair Rocha Steiner. Foi vereador, presidente da APP da Escola Rodolfo Rocha, voluntário da Paróquia, presidente da Associação Comercial do Município. Atualmente é pscicultor.


Por que Robson e Jerry? Foi uma decisão dos partidos?

Já estamos na vida política há algum tempo, o Jerry já foi presidente da Câmara e eu sou vice-prefeito de São Martinho e exercemos lideranças dentro de nossos partidos. Claro que gostaríamos que a coligação tivesse sido mais ampla, porém como não foi possível, o PMDB e o PR nos escolheram para representá-los e sermos os candidatos nestas eleições.

E vocês como se sentem juntos? Será uma administração a quatro mãos?

Será uma administração focada nas pessoas. Certamente será uma administração a quatro mãos. E, por isso, Jerry mencionou: “entendo que posso contribuir com um trabalho direcionado, fazendo a parceria com a Câmara e fiscalizando os secretários para que se cumpram as diretrizes, o nosso plano de governo”. Já Robson acredita que ambos tenham experiência suficiente para administrar São Martinho e que conhece os caminhos para buscar recursos e gerir projetos, como o fez nos últimos três anos e meio.

Como vocês veem a realidade do município de São Martinho hoje?

Infelizmente um pouco atrasados inclusive em relação aos nossos vizinhos, mas temos um grande potencial, pois temos um povo ordeiro, trabalhador, pessoas que amam seu município e que querem que ele fique melhor. Nós entendemos que temos uma grande chance com turismo, seja ele rural como na Vargem do Cedro, como o religioso em São Luiz e expandir isso também para outras regiões do município. Mais também não podemos esquecer que a grande fonte de renda de São Martinho ainda é a agricultura.

Por que vocês escolheram este lema: Uma nova proposta?

Entendemos que a população reivindica uma política mais clara. E é isto que nós queremos trazer para o nosso município, uma nova proposta na administração, onde as pessoas se sintam mais parte dela. Uma nova proposta para a saúde, com atendimento mais humanizado. Para a agricultura, pois 70% das pessoas de São Martinho vivem no meio rural e, por isso, precisamos de outras culturas, novas fontes de renda para o agricultor e para a permanência do jovem no campo. Além do turismo que deve se estabelecer como uma fonte de renda definitivamente como uma fonte de renda em São Martinho. Onde as pessoas serão tratadas de forma mais igualitariamente e não pela sua posição política.

Quais áreas precisam de maior atenção no início do mandato, caso eleitos?

Temos visto bastante reclamações com relação a algumas estradas em comunidades de nosso município. E, ainda como o início do mandato é em janeiro, um mês chuvoso e que costuma provocar muitos problemas. Então entendemos que as estradas e a organização e humanização da saúde serão duas ações que iremos atacar desde o início do mandato.

Quais áreas destacariam?

É fato que duas áreas são muito citadas: as estradas, ou seja, a segurança das pessoas para que possam trafegar nelas com maior qualidade e segurança. E como fazer isto: estudando uma forma de separar o público do privado. Ou seja, a Secretaria de Obras irá cuidar das estradas, do que é público, ou seja, ela vai cuidar do público, até a porteira do indivíduo. E, da porteira para dentro a Secretaria de Agricultura através de um plano de ações como forma de melhorar a organização dos trabalhos das duas secretarias. A segunda é a saúde, pois ela está sucateada em todo o país e, em São Martinho embora o município gasta 22% do que arrecada com saúde e a população ainda não está contente. Por isso nós queremos corrigir as falhas e promover um atendimento mais humanizado. E, ainda criar um plano de turismo para ser trabalhado com toda a região.


Pensando no plano de governo

Que prioridade terá a Saúde?

Nós temos o hospital São José que é uma entidade que precisa de muita atenção e que não é da prefeitura municipal, mas que precisa da parceira da prefeitura. E certamente nós queremos preservar o apoio tanto técnico quanto financeiro que está sendo destinado e procurar ajudá-los ainda em ações que venham a sanar as dificuldades que o hospital vem enfrentado. Para que a gente possa não apenas mantê-lo de porta abertas, mas torná-lo referência. Além de criar um plano de agendamento prévio para evitar as filas e o deslocamento das comunidades até o Centro quando não há mais vagas para consultar no Posto Central.

E a Educação?

É uma área que infelizmente nosso país fica em segundo plano. Nós temos alguns problemas a serem trabalhados no município, como por exemplo, a construção de uma nova creche no centro da cidade. Pois o prédio já não está mais adequado para o número de crianças que estão frequentando. E, que o novo tenha bastante segurança e isso é um desafio, buscar um terreno via prefeitura e de recursos em nível estadual e federal. E, também, por em pratica o Plano Municipal de Educação, pois as diretrizes e as metas estão todas ali e que contou com a participação de muitos professores e pessoas ligada à área.

Agricultura?

Vai ser uma das áreas que iremos dar atenção. E, sem sombra de dúvidas, estruturar a Secretaria Municipal de Agricultura separando-a da secretaria de obras. Por que a gente não pode permitir que o público e o privado se confrontem. Garantir que os agricultores tenham um melhor agendamento dos equipamentos. Fortalece o Conselho Municipal de Agricultura que não tem se reunido com frequência. E implantar o projeto Nota Hora, nós queremos eliminar o atendimento critério político e adotar o técnico estudaremos a melhor forma para que através do bloco de notas o agricultor tenha um bônus em horas em equipamentos, por exemplo.

Obras e infraestrutura?

Atuei como gestor municipal de projetos enquanto vice-prefeito nestes três anos e meio. E fizemos obras importantes como à ponte, o asfalto, o sistema de drenagem, mas há muito ainda por fazer. Uma delas é a construção do anel viário para que se possa expandir o perímetro urbano e nas proximidades da ponte. Além disso, outras ações devem ser feitas nas estradas de maior fluxo de veículos, inclusive na estadual e ir substituindo as pontes de madeiras por de concretos. E conclusão as obras do asfaltamento até Vargem do Cedro. E a rodovia que liga São Martinho a São Bonifácio que tem sido uma grande luta e continuarem a brigar por ela. Nos dois sentidos: estadual por Rio Gabiroba e municipal por Vargem do Cedro.

E o Meio Ambiente?

Penso que é necessário incluir o urbanismo. Uma das coisas será apoiar o licenciamento ambiental junto ao agricultor, através da secretaria de agricultura. Outra coisa é cuidar do embelezamento de nossa cidade buscando nossas origens germânicas, criando um horto municipal com mudas de nossa região. A maior responsabilidade é voltar a rediscutir o Plano Diretor do município, pois é através dele que iremos conseguir colocar as diretrizes ao longo de pelo menos dez anos, do que queremos e de como crescer, buscando a garantia de desenvolvimento sustentável.

Saneamento básico?

Infelizmente no município temos problemas na área rural e apenas fossas sépticas, mas nós temos um Plano Municipal de Saneamento e um de Resíduos Sólidos. Mas planos precisam ser tirados das gavetas e os implantar.

Esporte e lazer?

Acho que a gente precisa ter uma reorganização profunda no esporte no município. E essa discussão precisa ser dentro da Comissão Municipal de Esporte. Precisam resgatar e fazer com que a população participe das decisões, ampliando as modalidades esportivas praticadas em São Martinho. Tomando ações que promovam a integração entre as comunidades e valorizem a inclusão das mulhere no esporte.

E a cultura?

Reativar o funcionamento e, por que não a ampliação do acervo da biblioteca municipal. Pois é fonte de cultura, de educação e fonte de exemplo para estudantes e toda a população. Outro ponto seria promover cursos de música, resgatando os corais, artes cênicas. Resgate da nossa língua alemã como forma de manter a tradição e em respeito para com os antepassados. E, ainda, a criação de uma Banda Municipal.

E a mobilidade urbana: Trânsito, pedestres, ciclovia?

A ciclovia, com adequação para o pedestre, faz algum tempo que estamos buscando junto com outros municípios, pois acreditamos que se trata de uma obra importante e que fortalecerá o turismo rural, religioso. Com relação ao trânsito é preciso melhorar a sinalização e dar segurança ao nosso pedestre. E, ainda, com a ponte de concreto fortalecer o comércio e ações no centro da cidade.

E a segurança? E as ações de prevenção às drogas?

Um dos projetos é a instalação de câmeras de segurança, pois seria possível detectar todas as pessoas que entrar no município, dando uma maior segurança e ajudando os trabalhos das polícias. E acredito que a população deve participar dessas decisões e com Conseg seja um instrumento que precisa ser reestruturado para trazer as pessoas para mais perto destas decisões. Outro ponto será a implantação do Fundo Municipal de Defesa Civil e de Desastres Ambientais, que é exigido pelo Estado, pois precisamos estar preparados com recursos e estratégias, pois não se sabe o dia de amanhã.

O que a população pode esperar nos próximos quatro anos de vocês caso sejam eleitos?

A população pode esperar muito trabalho, muita dedicação, bastante organização e, principalmente, tratar as pessoas de uma forma mais igual, através de critérios técnicos e não políticos. Queremos iniciar uma nova fase política, sem decepcionar e senão pudermos eliminar, mas parar de alimentar as richas políticas que existem dentro do nosso município.

E como fazer São Martinho crescer e se desenvolver mais?

São Martinho certamente irá crescer e se desenvolver nestes próximos quatro anos com Robson e Jerry na administração, pois temos uma formação, curso superior e já trabalhamos por vários anos como administradores de empresas. Temos certeza que São Martinho possui condições de aumentar o seu potencial através da geração de emprego e renda, capacitando os jovens fazendo com que fiquem aqui. Buscar incansavelmente o asfaltamento de São Martinho a São Bonifácio (SC 435) e de São Martinho a Vargem do Cedro, que será a grande catapulta para desenvolvimento do município.

Este artigo está em


Join the Conversation