SC aplicou quase 800 doses ‘erradas’ em adolescentes contra Covid-19

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, esclareceu em coletiva de imprensa concedida na tarde desta quinta-feira (16) que o pedido de suspensão da vacinação contra Covid-19 em adolescentes sem comorbidades se deve à “cautela” e falta de “comprovações científicas sólidas” da segurança do imunizante no grupo.

Além disso, a pasta destacou um certo “descontrole” por parte dos Estados e falta de coerência com o que estaria descrito no PNI (Programa Nacional de Imunização).

Foi apresentada uma tabela que mostra o número de doses de imunizantes diferentes da Pfizer aplicadas no grupo pelo país, e que estariam diretamente ligadas aos efeitos adversos em adolescentes. Em Santa Catarina, foram 797 doses “erradas”.

Segundo a tabela levantada pelo Ministério da Saúde com as Secretarias de Saúde, em Santa Catarina foram aplicadas 41.592 doses em adolescentes de 12 a 17 anos.

Destas, 353 da Astrazeneca, 420 do Butantan, e outras 24 da Janssen. No entanto, a única vacina que estava autorizada para este público era a da Pfizer.

A Dive/SC (Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina) emitiu uma nota afirmando que irá se manifestar sobre a aplicação destas doses apenas depois da reunião da CIB (Comissão de Intergestores Bipartite).

Fonte: ND +
Este artigo está em

Join the Conversation