Nascido no centro de Armazém, no ano de 1937, Rosalvo Michaels sempre foi um homem muito ligado à família e também a cidade de Armazém. Nesta página vamos conhecer um pouco mais da história deste nobre cidadão, que sempre deu atenção aos seres humanos, trabalho no pesado e chegou ao cargo máximo da cidade.

 Lembranças dos Pais

Filho de Arnoldo Michaels (in memoriam), comerciante e ex-prefeito da cidade, a lembrança dos Pais ainda estão presentes na vida de Rosalvo, “meu Pai tinha um pequeno comércio e também trabalhava com madeira. Naquela época o comércio era feito por balsas e canoas, para chegar até o litoral e tudo que meu Pai conseguia comprar dos agricultores, como batata, feijão, carne de porco, mandioca… ele levava para a cidade de Laguna dessa maneira. Ele também transportava madeira. Minha Mãe, Isolina Hoepers também foi um exemplo em minha vida, mulher de muita fibra. As dificuldades naquela época eram imensas, tínhamos poucas estradas e as que tinham estavam sempre em condições precárias, já que existia pouco maquinário para abrir estradas ou arrumá-las. Os meio de transportes mais comuns eram carro de boi e cavalo e dessa maneira meu Pai buscava os produtos dos colonos”.

Início no ramo de Madeiras

Com o Pai, Rosalvo aprendeu a trabalhar com madeira, “como meu Pai trabalhava com madeira e tinha uma pequena fábrica de madeira, com 12 anos eu comecei a ajudá-lo e trabalhei por mais de 65 anos com madeiras”. Casado com Judite de Souza, Pai de cinco filhos, Wagner (in memoriam), Vanderlei, Valério, Valquiria e Valdinei, a profissão de madeireiro e carpinteiro foram o sustento da família por muitos anos, “como segui os passos de meu Pai por muito tempo, resolvi seguir na profissão e abri uma fábrica de móveis aqui na cidade de Armazém. Meus filhos trabalharam bastante tempo comigo e o Valdinei segue trabalhando até os dias de hoje.” Segundo informações de José Wionei Michaels, popular “Zezinho do Besc”, a importância de Rosalvo vai muito além do que ele imagina, “como morador de Armazém, eu acompanhei muitas histórias da cidade e posso afirmar que Sr. Rosalvo, além de excelente prefeito, foi um homem muito importante no ramo madeireiro na cidade de Armazém, já que ele foi responsável por ensinar e formar excelentes marceneiros que estão em atividade até os dias de hoje”. O trabalho não era uma obrigação, mas sim um prazer, “trabalhar com madeira para minha pessoa sempre foi um grande prazer e satisfação, realmente eu gostava daquilo que fazia e sou muito grato a essa profissão”.

Início na política

Se dedicando ao trabalho de madeira, a política sempre despertou interesse no jovem Rosalvo, “ainda jovem acompanhei meu Pai na Política, ao qual ele foi prefeito de Armazém e desta maneira sempre achei muito interessante a Política, já que tínhamos a oportunidade de trabalharmos diretamente com a população. No início meu Pai quem me conduziu e acompanhou na Política e a partir de meu interesse eu me filei ao PSD”. Não demorou muito para concorrer a um cargo público, com ele mesmo afirma, “após me filiar ao partido, me lancei candidato a vereador e fui eleito em 1972, consegui um segundo mandato em 1976 e trabalhei com o intuito de ver a cidade se desenvolver.” Não somente a Política fazia com que Rosalvo estivesse fortemente ligado a sociedade, “sempre escutei as pessoas e minha ligação com a sociedade sempre foi muito forte. Talvez por isso foi Presidente do Clube Alvorada, também fui Presidente do Hospital Santo Antônio e sempre me envolvi com atividades relacionadas a cidade”.

Mudança de Partido

Até o ano de 1979, Rosalvo se manteve fiel ao PSD, porém ocorreram mudanças, como ele mesmo comenta, “o ano de 1979 foi de mudanças para minha pessoa, já que infelizmente aconteceu desavenças dentro do partido e resolvi que era tempo de mudar. Existia um partido ainda fraco na cidade que era o MDB e resolvi que esse seria meu novo desafio e meu novo partido”. Os desafios chegaram já no ano de 1982, “naquele ano não tínhamos candidato no partido, então com o apoio de meus companheiros de partido lançamos um candidato para Prefeito e vereador, mesmo sabendo que as chances eram pequenas. Foi muito importante, já que a partir desse momento, o partido começou a crescer.” Apesar de a população ser muito menor do que os dias de hoje, as disputas Políticas já eram intensas, “os tempos eram outros, porém o peso Político era grande e as disputas também. Os principais partidos na época eram o PSD e UDN que comandavam a Política em Armazém”.

 Prefeito de Armazém

O armazenense Rosalvo, teve a oportunidade de ser candidato a prefeito no ano de 1988, como ele mesmo conta, “no ano de 1988, muita gente queria que eu fosse candidato a prefeito municipal, porém, eu achei que ainda não estava preparado e devido a isso não aceitei, mas trabalhei para fortalecer o partido e aceitei ser candidato a vice do Sr. Bertolino Boing, que já havia sido prefeito no período de 1977 e 1982.” Com muito trabalho, a campanha foi um sucesso, “vencemos uma eleição difícil e desta maneira dei meus primeiros passo dentro da Prefeitura Municipal de Armazém”. Após o aprendizado na gestão pública, Rosalvo saiu de candidato no ano de 1991 pelo PMDB, que é o antigo MDB, “para dar continuidade aos trabalhos a qual vínhamos realizando, resolvi ser candidato a prefeito e conseguimos ser eleitos. Sendo assim, comecei minha história como administrador público e assumi de 1992 até 1996.” Para muitas pessoas, Rosalvo é tido como um dos melhores Prefeitos que a cidade já teve, “eu não sei se eu fui tão bom assim, mas eu sempre me preocupei muito com a população desta cidade e sempre que possível eu ajudei naquilo que era possível”.

Dificuldades na gestão

Não existe um administrador público que não enfrenta dificuldades em sua gestão e com Rosalvo não foi diferente, como ele mesmo salienta, “naquela época não recebíamos tantos recursos e a situação de maquinário era precária. Tínhamos muitas dificuldades na secretaria de transportes e obras. Como tínhamos que atender a população e arrumar as estradas, já que o número de pessoas que possuíam carro era muito maior do que no tempo que meu Pai foi prefeito, por exemplo. No tempo dele as estradas eram abertas a picaretas, no carrinho de mão e no braço. Já quando eu era prefeito, o problema era o maquinário, já que possuíamos poucos recursos e caso alguma máquina estragasse era um problema imenso e um atraso em nossos trabalhos”. Apesar das dificuldades, Rosalvo nunca baixou a cabeça, “tínhamos dificuldades para superar, sem dúvida, mas a vida é assim, temos que levantar a cabeça e ter forças para seguir em frente, tentei ajudar de várias maneiras as pessoas e não me esqueço que a caminhonete que tínhamos para a fábrica de móveis cansou de fazer mudanças, a grande maioria para fora do município, já que naquela época muitas pessoas da Vila Nova estavam indo trabalhar nas minas de carvão na cidade de Criciúma. Talvez por isso e muito mais, muitos falam que eu entrei de sapato na Prefeitura e sai de chinelo, ou seja, mais pobre”.

Visão dos dias de hoje

Atualmente, a ocorrência de mudanças é cada vez mais freqüente e rápida. Com isso, há um grande impacto nas pessoas e em seus locais de trabalho, mudando comportamentos e relacionamentos, como Rosalvo argumenta, “hoje a mudança é muito rápida, antigamente quase tudo funcionava, hoje nem tudo. Gostaria de citar a mudança que temos por exemplo no Hospital Santo Antônio, aqui em Armazém tivemos médicos que deixaram seus nomes na história do município e merecem nosso eterno respeito. Entre tantos eu posso citar o Dr. Nicolau, Dr. Roque, Dr. Hideu… esses homens atendiam as pessoas tendo elas dinheiro ou não, eram realmente seres humanos formidáveis e salvaram muitas vidas. Infelizmente tudo mudou, pessoa novas chegaram e talvez não escutaram os médicos como deveriam.” Apesar das dificuldades, Rosalvo ainda acredita na recuperação do Hospital, “é uma pena que o Hospital hoje não está vivendo uma situação boa, peço que aqueles que ali estão, lutem pelo hospital do nosso município, porque tenho acompanhado que a população tem ajudado bastante. Acredito que tudo vai dar certo”.

Agradecimento

Com 82 anos de história fica o agradecimento de um homem de bom caráter e que sempre pensou no bem do próximo, assim como no desenvolvimento do município “eu só tenho a agradecer todas as pessoas que estiveram comigo na minha vida, como minha família, meus amigos e sou grato a todos que me agradecem por algo de bom que eu fiz na vida delas. Nunca tive muita ambição em relação ao dinheiro, apenas não queria passar por dificuldades. Sou grato por ter servido ao próximo e ter a vida que Deus me deu. Com o Coração, fica o meu muito obrigado para todos vocês”.

Por Lissandro Velho

Este artigo está em

Join the Conversation