Anitápolis tem famílias isoladas e quase 70% dos acessos afetados

As chuvas que atingiram Anitápolis, na Grande Florianópolis, na semana passada, causaram estragos em cerca de 70% dos acessos às estradas do município. Assim, os alagamentos e as quedas de barreira deixam, ainda  nesta segunda (9), de oito a dez famílias isoladas.

A prefeita Solange Back (MDB) diz que há comunidades em que a alimentação precisa passar pelo mato, o que dificulta bastante as operações. Também houve perdas na agricultura.

O governador Carlos Moisés (Republicanos) foi até Anitápolis nesta manhã e sobrevoou as áreas atingidas. Segundo a prefeita, a visita dele é fundamental para que ele possa avaliar pessoalmente os estragos.

“É muito importante para ver in loco. Às vezes, a foto não dá a real dimensão do que aconteceu. Agora de bate-pronto pedi para que máquinas da Defesa Civil viessem ajudar na liberação das barreiras, além de recursos para a reconstrução de estradas.”

Ainda nesta segunda foi possível chegar até o fim de uma comunidade que estava ilhada, o que diminuiu o número de pessoas sem acesso a recursos da prefeitura.

“Todas as comunidades foram atingidas. Temos no município em torno de mil estradas de chão, e de 60% a 70% dos acessos precisam de melhorarias”, destaca.

O governo estadual informou nesta segunda que já foram disponibilizados cerca de R$ 6 milhões para intervenções, limpezas e desbloqueio de 87 barreiras na SC-108, entre o município e Rancho Queimado.

“Temos aqui ainda várias localidades ilhadas, com muitas famílias que precisam de apoio urgente. Nós vamos fazer uma grande cooperação. Vamos pedir auxílio para o Exército Brasileiro, por meio do Batalhão Rodoviário, para que possamos disponibilizar pontes metálicas, além de kits de transposição da Defesa Cilvil”, disse Carlos Moisés.

O governador enfatizou que nesta segunda terá reunião com a equipe de governo para conversar sobre os orçamentos e receber o levantamento dos danos causados pelas chuvas nos municípios de forma mais precisa. “Precisamos que as intervenções sejam feitas não apenas para dar uma resposta superficial para a comunidade, mas que sejam intervenções permanentes”, destacou.

Balanço dos estragos

Conforme a Defesa Civil de Anitápolis, na terça, na quarta e na quinta-feira da última semana, choveu no município 411 milímetros. A média histórica, dos últimos 30 anos, é 126 mm para o mês de maio.

A cidade inteira permaneceu por mais de 24 horas sem energia elétrica, água, telefone e internet. O risco mais preocupante foram os deslizamentos, muitas casas foram completamente atingidas. Houve quedas de barreiras, cerca de 15 pontes foram danificadas ou destruídas, tornando inacessível o acesso a praticamente 23 comunidades do município de 3,2 mil habitantes.

Ao todo, 223 pessoas ficaram desalojadas, ou seja, foram abrigadas em casas de familiares amigos ou vizinhos. Muitos já estão já estão voltando para suas casas. O número de desabrigados, que não conseguem retornar para suas casas, é de 28. Elas permanecem em um abrigo no salão da Igreja Luterana e na capela da Vila Antonio David.

 

Fonte: ND+

Este artigo está em

Join the Conversation