O Brasil precisa de um novo presidente e uma nova política – Deivid Arent

Os últimos dias do governo Michel Temer (PMDB), comprovam o que eu vinha a muito tempo alertando. Jamais, um governante sem legitimidade, popularidade e moral pode assumir o comando de um país, ainda mais quando o mesmo enfrenta uma das maiores crises de sua história. Por esse motivo, sempre defendi a cassação da “chapa Dilma-Temer”, juntos, cometeram os mesmos crimes. Portanto, são igualmente culpados pela atual situação, e devem pagar por isso, e de preferencia longe do governo.

Afinal, qual o referencial de boa índole do presidente? O presidente diz “ótimo, ótimo” quando o empresário estava “contando que estava se livrando das coisas” sem especificar que coisas eram essas. Diante da gravidade, Temer diz que não será contaminado por esses fatos, já que sua culpa foi apenas por ingenuidade. Não acredito que um presidente tão ingênuo dessa forma, possa comandar um estado com tantos problemas.

Muitos me perguntam, e agora? Colocar quem de presidente? Não é uma pergunta fácil de ser respondida, tenho as minhas preferências. Porem, não é algo que deve ser compartilhado exaustivamente nas redes sócias para que todos saibam quem é o seu candidato. Até porque, estamos vivenciando nos últimos tempos, que muitas pessoas estão “quebrando a cara”, ao saberem que votaram em candidatos que mais tarde, viriam a estampar capas de jornais com denuncias de corrupção.

O que vai ajudar o Brasil neste momento é uma nova eleição, para que se devolva a sociedade, a prerrogativa de qual programa que ela gostaria de ver implementado para tirar o país da crise. Não existe o salvador da pátria, o único que pode nos tirar da posição que nós mesmos nos colocamos, somos eu e você. A esperança termina, quando deixamos de acreditar em nossa capacidade de mudança, e não vejo nenhum país no mundo onde a sociedade é honesta e os políticos desonestos. Somos o que somos e temos o que temos, mediante aquilo que criamos dentro de nossas casas, e isso reflete diretamente nas urnas. Sem ética, não temos vida, não temos esperança, não temos respeito, e por fim, não temos presidente.

Este artigo está em


Join the Conversation