Um terço dos diagnosticados com asma não tem a doença

A inflamação reversível dos brônquios, que chamamos de asma, é uma das doenças que mais afetam as crianças no Brasil. Ela é considerada uma doença crônica, mas os casos de remissão espontânea são comuns: a asma fica para trás junto com a infância. Mas, na fase adulta, os asmáticos não parecem ter a mesma sorte: quanto maior a idade, menor a taxa de remissão.

Mesmo assim, uma pesquisa feita no Canadá, com mais de 600 adultos com asma diagnosticados nos últimos 5 anos, mostrou que um terço desses pacientes não tem asma. E desse resultado surgem duas hipóteses: ou a remissão de asma em adultos é mais comum do que se pensava, ou há algo de errado nos diagnósticos.

Os cientistas reuniram asmáticos diagnosticados recentemente e que não faziam uso contínuo de corticoides nem fumavam há mais de 10 anos. Todos os participantes passaram por uma série de testes que desafiavam a capacidade dos pulmões. O exame principal era a espirometria, teste que mede quanto volume de ar uma pessoa consegue expirar em um segundo só.

Depois disso, eles tomavam remédio para asma e o espirômetro avaliava se a performance deles melhorou. Se a respiração ficava pelo menos 12% mais eficiente, era sinal de que os brônquios estavam com dificuldades – e, acompanhado de sintomas como a tosse, o resultado era um forte indicativo de asma.

Fonte: mdemulher.abril.com.br
Matéria adaptada para jornal impresso

Este artigo está em

Join the Conversation