Café na dose certa para preservar a sua saúde – Espaço informativo

“O café é a bebida que desliza para o estômago e põe tudo em movimento.” Quando registrou esta frase, o escritor francês Honoré de Balzac, um aficionado do líquido, há quem diga que entornava de 20 a 50 doses por dia, certamente se referia ao poder energizante do fruto do cafeeiro. Afinal, com o auxílio dele o autor deu cabo de uma obra com mais de 10 mil páginas. O que Balzac não podia imaginar é quão feliz foi em deixar a frase assim, tão abrangente. Atualmente, a ciência já sabe que dar disposição é só uma das qualidades do café.

O curioso é que ele chegou a amargar uma posição de desprestígio, mesmo sendo amplamente degustado. “Isso porque algumas pessoas são mais sensíveis mesmo”, diz a nutricionista Ana Cristina Lazarotto. Mas isso não faz dele um vilão. “Existe muito mito sobre seu consumo”, afirma o cardiologista Bruno Mioto.

Segundo o médico, uma das explicações, tem a ver com o fato de que os primeiros estudos foram conduzidos com seu componente mais famoso, a cafeína – responsável pelo estado de excitação. “Só que os cientistas usavam altas doses e de uma só vez”, explica. Daí ocorriam batedeira no peito, aumento da pressão… “Mas a gente tem de lembrar que a bebida é tomada ao longo do dia e não é composta somente de cafeína”, tranquiliza.

De acordo com Silvia Oigman, neurocientista, a cafeína representa de 1 a 2,2% do café. “Possui diversas outras substâncias, com destaque para os ácidos clorogênicos, que são antioxidantes“, informa. Nesse sentido, o conteúdo da xícara seria mais poderoso que o vinho tinto. Certamente não é desculpa para exagerar, como Balzac fazia. De três a cinco xícaras por dia compõem a quantidade ideal para degustar os benefícios que verá a seguir. Sinta-se à vontade para se servir antes de continuar a leitura.

Fonte: saude.abril.com.br

Este artigo está em

Join the Conversation