São Martinho: prazo estimado para conclusão de obra de ponte fica para abril

As obras da ponte sobre o Rio Capivari, na Rodovia SC 436, em São Martinho seguem dentro dos prazos e deverão ser concluídas em quatro meses. Embora tenham surgidos questionamentos pela população com relação a demora da entrega, os responsáveis da Empresa Decc Construções LTDA garantem que os trabalhos seguem normalmente e que o prazo será respeitando.

O andamento da obra – Os trabalhos de recuperação da ponte, que tem a extensão de 50,20 metros e 10 metros de largura, foram iniciados em setembro de 2017, ou seja, há quase cinco meses. Desde então várias etapas já foram concluídas como: o reforço das cabeceiras, foram concretados os pilares e, também, os suportes que receberão as vigas pré-moldadas. Enquanto a maturação do concreto está sendo aguardada, os trabalhos estão voltados nos serviços de ferragens, pois logo após o içamento das vigas será concretada a esteira de ferro que compõe a base das pistas.

PUBLICIDADE

Relembrando – o ato da assinatura da ordem de serviço para recuperação e conclusão da ponte sobre o Rio Capivari foi feito pelo então governador em exercício na época, Eduardo Pinho Moreira, juntamente com o Secretário de Estado de Infraestrutura, Luiz Fernando Vampiro, em agosto de 2017. O investimento conveniado foi de R$ 716 mil.

A obra desta ponte é significativa para o município de São Martinho, que mensalmente recebe 18 mil turistas, pois dá acesso às comunidades com mais visitação como Vargem do Cedro e São Luiz. Naquele momento já foi expressado o sentimento de contentamento pela obra, esperada há mais de 30 anos. Pelo governador Eduardo Pinho Moreira: “O turismo religioso é uma marca importante de Santa Catarina. Renova a fé, movimenta a economia e aquece o coração das famílias catarinenses. Por isso, como governador em exercício, fiz questão de vir pessoalmente até São Martinho para entregar essa ordem de Serviço”, destacou Moreira.

E, ainda contou com a justificativa do Prefeito Municipal de São Martinho, Robson Jean Back pela interdição da ponte danificada: “Foi uma decisão difícil a de interditar a ponte, mas não tinha mais condições de tráfego, apresentava um real perigo à população. Desde então, fomos incansáveis na busca de viabilizar os recursos com o governo estadual e hoje inicia-se esta importante obra”, explicou.

Este artigo está em

Join the Conversation