Novo vendaval provoca ainda mais danos em comunidades rurais de Santa Rosa de Lima

A tempestade com incidência de vendaval ocorrida no final da tarde de sexta-feira, dia 17, provocou novos danos a propriedades rurais de Santa Rosa de Lima. Durante esta segunda e terça-feira (20 e 21), um equipe da prefeitura percorreu os locais mais atingidos para fazer um levantamento dos estragos.

No último dia 5, um vendaval já havia atingido o município. Desta vez, as localidades que mais sofreram com a ação do vento foram Santa Catarina, Rio do Meio, Rio Santo Antônio e Rio Bravo Alto.

Assim como ocorreu no início do mês, as áreas de reflorestamento (plantações de de pinus e eucalipto para beneficiamento de madeira) foram bastante danificadas. Árvores foram partidas, outras ficaram empenadas, ficando inúteis para a construção civil.

Na propriedade de Mário Warmling, na localidade de Rio do Meio, o vento partiu uma parte considerável da sua plantação de eucalipito. “Acredito que o prejuízo chegue na casa dos R$ 50 mil”, lamenta o produtor.

Na comunidade de Santa Catarina, o agricultor ecológico Dauri Floriano viu o telhado de uma estufa de fumo desativada ser completamente arrancado. “Não plantamos mais fumo há muito tempo, mas usávamos essa estufa como depósito. O vento arrancou todo o telhado e jogou em cima de uma estrebaria. Por sorte não havia gado ali”, conta. “Agora teremos que desmanchar totalmente a estufa, pois não acredito que ela possa continuar de pé”, avalia.

Já na localidade de Rio Bravo Alto, uma lavoura de milho também sofreu com o vento, que derrubou parte das plantas. A colheita, que poderia ser realizada com uma máquina ceifadeira em apenas meio dia, agora terá que ser feita manualmente e levará pelo menos um dia inteiro, isso com a ajuda de mão de obra contratada, o que reduzirá a lucratividade da plantação.

Kit de transposição

Por conta das tempestades do início do mês, o coordenador regional da Defesa Civil de Santa Catarina, Anderson Martins, esteve no município para constatar os principais danos.

O município requisitará ao órgão estadual um kit de transposição – uma ponte pré-moldada de concreto – a ser instalado na estrada que liga as comunidades de Rio dos Índios e Nova Esperança. Caso consiga, a contrapartida da prefeitura será a construção das cabeceiras.

Este artigo está em

Join the Conversation