Projeto social tem aulas de canto e orquestra para moradores de Armazém

Hoje o projeto tem o apoio da Prefeitura Municipal de Armazém e conta com cerca de 120 alunos em três categorias: voz, violão e violino. As aulas são semanais, têm duração de 90 minutos e sem custos para os inscritos.

O “Som do coração” foi criado em 2011 com a ideia de estruturar uma orquestra em Armazém. O projeto evoluiu e hoje atende milhares de crianças e jovens alfabetizados do município de Armazém. Os idealizadores do projeto são o cabeleireiro Joel Cardoso Moraes e a esposa Márcia Caetano Moraes. Joel, que sempre trabalhou com corte de cabelo masculino, ao desenvolver o projeto passou, também, a dar aulas de violão. Os recursos das aulas ajudavam no pagamento do maestro responsável pela turma de orquestra.

Por conta das dificuldades em manter o “sonho vivo”, Joel viu na política a oportunidade para apoiar os jovens. Foi eleito vereador em 2016. “Com a ajuda de uma equipe, conseguimos alguns instrumentos para começar, mas, individualmente a experiência ficou cara, daí veio a ideia de entrar para a política, com o propósito de ampliar o projeto”. Agora, com o apoio da Prefeitura Municipal de Armazém, os 120 alunos matriculados, recebem aulas nas terças e quartas-feiras, das 8h às 22h e nas sextas, das 8h às 17h. Cada estudante precisa optar por um destes horários e os instrumentos ainda são os mesmos desde que o projeto foi iniciado.

Márcia, que é a pedagoga do projeto, conta que o nome foi inspirado no filme “O Som do Coração”. “O projeto e o filme ficaram nos nossos corações. Era um desejo nosso e de Deus também, pois no filme ele resgata crianças e transforma vidas”. Segundo ela a maior dificuldade é financeira. “Os instrumentos são caros e muitos alunos não conseguem adquirir”, analisa. “Eu imaginava que nosso município não tinha pobreza, mas durante a campanha, descobrimos muitas famílias carentes. Podemos afirmar que, pelo menos 30% dos alunos não têm condições de comprar o instrumento”, admite. Em breve o projeto também terá aulas de acordeão (popular gaita) e bateria, porém, ainda não há professores para estes instrumentos.

Deivid Arent / Divulgação ORS

Márcia, solicita que os jovens procurem o projeto. “Estamos pedindo para que eles venham, porque iremos conseguir os instrumentos, e em breve queremos contar com o apoio privado também”. Para o idealizador Joel, o projeto tem inúmeros benefícios para os alunos. “A música é um mecanismo de transformação em geral, ajuda na socialização das pessoas e desenvolve a concentração”. Márcia acredita que “os frutos” desses benefícios serão colhidos no futuro. “Talvez não tenhamos um resultado de imediato, mas tenho a convicção de que em um futuro olharemos para trás e poderemos dizer que realmente tudo valeu a pena”.

Este artigo está em


Join the Conversation