O município de Armazém faz parte há pouco tempo deste programa, mas já é possível perceber mudanças significativas com relação à segurança.

As câmeras de videomonitoramento já estão operando no Município de Armazém, que foi contemplado através do Projeto Bem-te-vi, da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) e Poder Executivo do município. Até agosto de 2017 três câmeras já estavam instaladas, faltando o restante e finalização de etapas para seu devido funcionamento. No total o município de Armazém foi contemplado com seis câmeras em pontos estratégicos, sendo que há um monitoramento de 24 horas por dia pela Polícia Militar.

No momento a data de inauguração do espaço não foi definida. O comando municipal e regional buscam junto ao governo estadual a contratação de agentes temporários exclusivamente para o acompanhamento do videomonitoramento.

Tiago Boeing / O Regional Sul

Principais objetivos

Visa potencializar as ações de vigilância nas comunidades; prevenir a ocorrência de crimes; auxiliar a polícia nas investigações e identificação de criminosos e veículos; contribuir para a administração do tráfego veicular local e revitalizar ambientes, aumentando a sensação de segurança.

As câmeras têm como objetivo fortalecer a prevenção da prática de crimes, monitoramento de áreas de grande fluxo e, se necessário, a polícia agir de forma mais rápida e eficaz.

Entenda o caso em Armazém

Em agosto de 2017 abordamos o assunto detalhadamente, explicando a situação da implementação deste projeto. À época a população questionava a demora para que o sistema entrasse em funcionamento. Confira trechos da reportagem:

“Há aproximadamente três anos a população vem aguardando a instalação das câmeras, sendo que o custo total da implementação foi avaliado em R$ 174 mil. Um almoço beneficente foi promovido no município em 06 de dezembro de 2015, para angariar os valores restantes necessários ao projeto, a população fez sua parte. Em entrevista para o jornal Folha O Jornal, em 27 de novembro, o até então coordenador do CRAS à época e presidente do CONSEG de Armazém, Evaristo Nascimento Jr., informou os valores alcançados até aquele momento: “[…] Buscamos apoio em vários órgãos e agora falta pouco para adquirir o material. Pela prefeitura foi repassado um valor de R$ 30 mil. Da Câmara de Vereadores foi doado R$ 14 mil, da CDL conseguimos R$ 5 mil e a arrecadação do comércio foi de R$ 11,2 mil. Até o momento conseguimos R$ 60,2 mil e, para atingir o valor necessário ainda falta 13,971,21 (sic) que pretende-se conseguir no almoço […]”.

Em 13 de maio de 2014 aconteceu na sede do poder executivo de Armazém uma reunião com o até então subcomandante da Polícia Militar de Braço do Norte, Major Marcos Aurélio Ramm e outros profissionais de segurança e autoridades políticas. No encontro foram apresentadas questões relacionadas a segurança do município e um projeto de lei foi encaminhado ao legislativo municipal que permite firmar convênio com o Estado para a instalação dos equipamentos. Foi então agendada uma audiência pública para a apresentação do projeto à população.

Após mais de um ano, em 27 de novembro de 2015 uma coletiva de imprensa foi realizada na sede do CRAS municipal. Com o objetivo, de apresentar os custos totais e o planejamento de todo o projeto, bem como uma breve prestação de contas.

Um encontro promoveu a capacitação de policiais militares de toda a região no auditório do Fórum da Comarca de Armazém em 02 de agosto de 2016, o objetivo foi de apresentar o sistema PMSC Mobile e realizar a entrega de tablets que são utilizados até então no cotidiano dos policiais. O juiz de direito Sancler Adilson Alves que respondia na época pela Comarca, explicou que também houve a disponibilização de recursos por parte da Secretaria de Segurança Pública do Estado, com a finalidade de adquirir as câmeras com recursos do município, do estado e do Fundo de Transação Penal.

Em 15 de março de 2017 outra reunião foi realizada e, teve também, como tema a instalação das câmeras, na época o estado previa a abertura de uma licitação em abril, que definiria a empresa responsável por realizar a instalação dos equipamentos. Foi cobrada mais agilidade no trâmite do projeto.
São diversas as fontes de recursos, oriundos do comércio do município, instituições bancárias, poder executivo, legislativo e a colaboração da sociedade. No final de 2016, os valores restantes foram repassados por parte do município foram repassados à Secretaria de Segurança Pública do estado, faltando assim a instalação, que está em andamento.

Prefeito de Armazém, José Benjamim Arent e 3° Sargento Comandante do destacamento de Armazém, Volnei Cardoso Mozerle | Tiago Boeing / O Regional Sul

Números do videomonitoramento no Estado

O Programa Bem-te-vi de Videomonitoramento Urbano foi iniciado no Estado em 2010, em 12 cidades e contava com 369 câmeras.

Em 2012 foram investidos mais de R$ 14 milhões na compra de equipamentos e colocação dos pontos. Em 2013 outras 21 cidades receberam o programa Bem-te-vi. E, no ano de 2015, o Estado já contava com 2.059 câmeras de monitoramento.

Atualmente o Programa Bem-Te-Vi está presente em 115 cidades e conta com o monitoramento de 2.450 câmeras, espalhadas em 115 municípios. São 139 salas de monitoramento e 12 Centrais Regionais de Emergência, ou seja, 151 Centrais de Videomonitoramento.

Os processos de implantação continuam, sendo que há 21 novos municípios catarinenses aguardando para receberem seus equipamentos, um total de 188 novos pontos de videomonitoramento.

Este artigo está em

Join the Conversation