Os desafios e fatos observados ao se produzir “O Regional Sul na comunidade”

Resolvemos falar um pouco dos bastidores para a produção dos episódios e expor as curiosidades analisadas por nossa equipe.

Bastidores

Ao se produzir qualquer conteúdo, independente do formato sempre há dificuldades. Com os episódios de O Regional Sul na comunidade não foi muito diferente, nossa equipe esteve diversas vezes enfrentando as eventualidades. Talvez muitos possam acabar pensando que tudo é planejado previamente às filmagens, porém as pessoas envolvidas na produção não levam em consideração perfil, classe ou partido político. O objetivo do programa é de demonstrar a situação da localidade, seja boa ou ruim.

A equipe destinada ao programa é integrada por: Tiago Boeing (cinegrafista e editor dos episódios) e Deivid Arent (repórter). Composta por jovens, a fim de conversar de uma forma mais amigável e com menor formalidade com os participantes, sendo assim um diálogo aberto. A equipe não influencia ou avalia a opinião dos indivíduos.

Luiz Cândido no bairro Olaria, seu problema relatado já foi resolvido por parte do executivo municipal.
Luiz Cândido no bairro Olaria, seu problema relatado durante as gravações foi resolvido por parte do executivo municipal após o episódio ir ao ar.

Sem dúvidas a maior de todas as dificuldades é a de se encontrar pessoas dispostas a expor seus pontos de vistas e situações vivenciadas em sua comunidade. O primeiro de todos os passos ao se chegar em uma comunidade é a busca dos indivíduos que estejam em locais públicos, bares/restaurantes/lanchonetes ou até mesmo escolher uma residência aleatória onde os proprietários aparentem estar presentes. Após conversar e explicar sobre o projeto, muitas pessoas decidem não se manifestar por motivos de vergonha, serem empresários ou até por não terem o conhecimento da situação de sua comunidade, sendo assim estas pessoas são desconsideradas durante a produção.

Em contrapartida é necessário observar que no caso de um empresário ou comerciante seria correto o mesmo expor a situação de sua comunidade e reivindicar melhorias, caso não seja necessário, utilizar do espaço então para elogiar as ações de seu bairro. Todo indivíduo, comerciante, empresário é um grande contribuidor do município e gerador de renda em sua comunidade.

Bairro Sertão dos Correas
Bairro Sertão dos Correas

O programa tenta ir além, não possui como foco abrir espaço a apenas críticas que baseiam-se em política, através do mesmo busca-se de uma forma amigável familiarizar as pessoas com o fato de que cada um possui o poder, seja de cobrar, influenciar e direcionar o futuro do local de onde vive. O que é possível perceber durante a produção dos episódios é que as pessoas relacionam muito as perguntas com base em política, tentamos introduzir uma forma de se pensar apoliticamente, expondo pontos de vistas, as pessoas pode e devem contribuir para aperfeiçoar suas vidas, seus vizinhos e demais pessoas à sua volta.

Praticar jornalismo vai muito além de apenas relatar fatos, é necessários possuir a capacidade de analisar situações com diversos olhares. Este programa surgiu da necessidade de nos fazermos ainda mais presentes no município (neste caso Armazém), não estamos satisfeitos em apenas relatar “nosso ponto de vista”, é justo que a sociedade possa também expor de uma forma respeitosa suas situações, para agir como jornalista basta que você tenha fome por se comunicar. Fazendo isto individualmente você muda a vida e a opinião dos interlocutores do diálogo, porém ao se comunicar em massa, da forma correta, você alcança a capacidade de mudar a vida de muitas pessoas simultaneamente.

Adélio Beckhauser fala com Deivid Arent, episódio do Bairro São José. (ainda não foi ao ar)
Adélio Beckhauser fala com Deivid Arent, episódio do Bairro São José. (ainda não foi ao ar)

Curiosidades

Desde o primeiro episódio que foi ao ar (Bairro São Francisco) até o mais recente é possível perceber uma uniformização de opiniões dos indivíduos que forneceram entrevista e daqueles que também não preferiram se pronunciar oficialmente.

  • Entre as prioridades e itens abordados por todos estão: a infraestrutura como a situação de estradas, logo em seguida a saúde em mais específico o fornecimento de medicamentos.
  • Poucos são aqueles que citam problemas religiosos que existem na comunidade (caso existam), eventos ou esporte. Grande parte deles associa o programa diretamente à política, mesmo que explicado anteriormente tal independência.
  • A maioria dos que estão dispostos a falar com nossa equipe são idosos.
  • Mulheres mesmo que convidadas a participarem ainda aparecem com pouca frequência nos episódios, a maioria resolve não se pronunciar e acaba por indicar homens que estão dispostos a falarem com a intenção de as substituírem.
Sr. Eulália concedeu entrevista no bairro Bom Jesus (ainda não foi ao ar)
Eulália das Neves concedeu entrevista no bairro Bom Jesus (ainda não foi ao ar)
Este artigo está em

Join the Conversation