Artigo: Importância da matemática no desenvolvimento do Brasil

Artigo escrito por Ana Maria Tischer, 21 anos, estudante de Engenharia Química pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. Moradora de Pinhalzinho-SC.

Artigo escrito com base no último resultado divulgado pelo Saeb- Sistema de Avaliação de Educação Básica, sobre a qualidade do ensino de Matemática.

A qualidade do ensino e do aprendizado de matemática no País deixa a desejar a cada avaliação educacional realizada. Geralmente é a disciplina com as menores notas dentro todas as áreas do conhecimento. Dados do desempenho dos alunos na matéria mostram pioras do desempenho nas avaliação. Mais de 70% dos alunos concluintes do ensino médio aprenderam inadequadamente matemática, tanto em escolas públicas como privadas.

Muitos alunos questionam-se qual a real aplicação ou importância da matemática. Tal questionamento por vezes também está implícito em docentes da matéria. O objetivo da educação matemática vai além do estudo de suas propriedades, equações, axiomas e aplicações. Esta subsidia o aprendizado em todas as áreas do conhecimento, estimulando os neurônios a desenvolver relações cada vez mais fortes e dá pragmatismo e exatidão ao pensamento.

A matemática é aceita universalmente como uma forma de acentuar a atividade cerebral promovendo o pensamento lógico das pessoas e permeando toda a aprendizagem e formação do aluno. Conquistando assim, uma posição de destaque para a matemática no processo da educação, que nem sempre é compreendida.

As estruturas responsáveis pela cognição, ou seja, aquisição de conhecimentos e informações são impulsos elétricos nos neurônios denominados sinapses. De acordo com pesquisadores da Universidade de Tohuko, a Matemática deve ser levada com seriedade no processo pedagógico de uma nação uma vez que atua como veículo propulsor e facilitador das sinapses cerebrais, contribuindo para o desenvolvimento do cérebro do estudante, fazendo novos impulsos elétricos cerebrais e consequentemente aumentando a inteligência.

A repercussão de um ensino defasado de matemática é extremamente negativa para o país. Contribuindo assim, para a geração de cidadãos sem capacidade crítica, com baixa capacidade criativa, implicando, entre outros, no baixo desenvolvimento tecnológico da nação. Ou ainda, impõem dificuldades de lidar com questões corriqueiras como finanças, resolução de problemas, juros, impostos, etc.

A origem de um ensino defasado no Brasil é crônica, e isso afeta todas as áreas do conhecimento e atravanca a evolução deste. A matemática deve ser trabalhada como um sistema para melhorar a capacidade de pensar. Nesse sentido, a qualidade dos professores é citada como quesito fundamental no desenvolvimento do ensino. Estes devem ter a capacidade, por meio de sua didática, de maximizar, em um curto espaço de tempo, a habilidade do aluno de apreender, de estabelecer relações entre a matéria e aplicações ou resolução de problemas.

Isso já ressalta um problema socioeconômico de ordem nacional, onde de fato, professores de ensino básico não são devidamente qualificados, tampouco, justamente remunerados. Isso prejudica a qualidade do ensino, e por sua vez, reflete no desempenho de toda a nação que depende de um ensino básico consistente, para que o desejo de apreender seja estimulado, e o interesse por ciências e tecnologias, consolidado.

Esse quadro, não escusa, entretanto, o aluno de acomodar-se, mas muito pelo contrário. O resultado do sucesso do aluno depende muito dele, e assim, o conhecimento deve ser buscado internamente nas escolas e externamente nos diversos meios didáticos existentes. Porém, sem o apoio dos pais, estimulando o estudo e cobrando desempenho dos filhos, pouco será conquistado.

Apesar de ser uma das maiores economias do mundo, o Brasil está em uma das piores posições no ranking da educação, tanto no desempenho em matemática, como leitura e ciências. O que reflete diretamente nos indicadores sociais como a corrupção, criminalidade, taxas de natalidade além de indicadores de tecnologia como a geração do conhecimento e o registro de patentes.

A função principal do ensino é a formação de indivíduos com capacidade discernitiva, inovação e proatividade para o seu pleno desenvolvimento, para que isso reflita na prosperidade da nação. Assim, para formar cidadãos que sejam em seu pleno significado: cidadãos. E a matemática é uma peça chave neste árduo processo de desenvolvimento da cidadania no Brasil.

Este artigo está em

Join the Conversation