Artigo: “a empresa que mantém funcionário não registrado pratica ilegalidade”

Este é um artigo escrito por Puk Pereira, empresária do município de Armazém e reproduzido na íntegra, à pedido.

À PEDIDO

Há muito tempo o jeitinho brasileiro anda de mãos dadas com grande parte da população brasileira. Criou se na cabeça das pessoas, uma justiça individual onde cada um faz o que quer e deseja. Que a lei seja cumprida na íntegra para todos os outros indivíduos.

Uma das áreas muito atingidas com esta postura de agir é no Ramo de Confecção, onde um empresário demite um funcionário, e este fica no Seguro Desemprego, e outro empresário do mesmo ramo, o contrata imediatamente, mantendo o mesmo irregular dentro da sua empresa pagando salário. Assim o empregado está na ilegalidade com o conhecimento e o aval do empregador.

O que ocorre então é um círculo vicioso, onde o empregado trabalha um período e ganha dois salários, um do novo empregador e o outro do governo que somos nós os contribuintes. Ainda tirando a vaga de alguns dos Treze Milhões de desempregados país a fora.

A CLT no Art. 47 prevê que a empresa que mantiver empregado não registrado nos termos do Art. 41 e seu parágrafo único, incorrerá em multa que são aplicadas pelas autoridades do ministério do trabalho, ou pelo Juíz.

Para as pessoas que estão nessa situação a lei é bem clara, estão praticando estelionato contra a administração pública prevista no Art.171 do Código Penal.

Então como que os empregadores e empregados irão criticar os políticos se eles próprios incorrem no mesmo erro?

O que vamos dizer aos filhos e netos?

Construímos um país melhor e menos corrupto com nosso exemplo?

Acredito que a melhor maneira de deixar um país sério e organizado é praticarmos a concorrência honesta e respeitar as leis na íntegra e principalmente Respeitar as Pessoas.

Ass: Puk.

Este artigo está em

Join the Conversation